Skip navigation
Logo
User training | Reference and search service

Library catalog

Retrievo
EDS
b-on
More
resources
Content aggregators
Please use this identifier to cite or link to this item:

acessibilidade

http://hdl.handle.net/10071/3253
acessibilidade
Title: Psicologia das crises e das catástrofes: O importante papel de factores cognitivos e afectivos na percepção de risco de terrorismo
Authors: Arriaga, Patrícia
Félix, Nelson
Ulrich, Eduardo
Keywords: Terrorism
Risk perception
Locus of control
Negative emotions
Identification processes
Issue Date: 2011
Publisher: ISMAT
Abstract: Vários autores destacam que a maioria do conhecimento público sobre terrorismo e sobre os seus efeitos nas vítimas é influenciado pelo media, o que por sua vez pode afectar as emoções, cognições e comportamentos das pessoas. Este artigo visa compreender o modo como os Portugueses percepcionam o risco de futuros atentados terroristas. Dois estudos avaliaram os preditores da percepção de risco de terrorismo. No Estudo 1 foi aplicado um inquérito a 318 participantes que incluía várias medidas, tais como estimativas de fre-quência de exposição aos media, locus de controlo, confiança institucional, e percepção de risco (próprio e outro). Os resultados indicam que conhecer uma vítima de um atentado terrorista, bem como acreditar que factores externos determinam os eventos, foram preditores de uma maior percepção de risco, quando o alvo é o próprio. Quando fazem julgamentos de risco para os outros, a frequência de exposição à televisão mostrou ser também um preditor significativo. O Estudo 2 (N = 105 participantes) foi conduzido para analisar o tipo de emoções negativas específicas (medo, tristeza, e/ou raiva) afectam a percepção de risco. Adicionalmente, foram analisados alguns mecanismos psicológicos para explicar a relação entre emoções e percepção de risco. Os resultados indicaram que a resposta de medo foi preditora de maiores estimativas de risco para o próprio, enquanto a tristeza foi preditora de maiores estimativas de risco para os outros. Destaque-se ainda que a identificação com a posição das vítimas contribuiu para explicar a relação entre as emoções e a percepção de risco.
Abstract: Several authors highlight that most public knowledge about terrorism and its effects on victims is influenced by the media, which in turn may affect people’s emotions, cognitions and behaviors. This article aims to understand how Portuguese perceive the risk of future terrorist attacks. Two studies examined the predictors of terrorism risk perception. In Study 1 a survey was administrated to 381 participants, which included several measures, such as estimates of the frequency of exposure to media, locus of control, institutional trust, and risk perception (self and other). Results indicates that knowing a victim of a terrorist attack, as well as believing that external factors primarily determine events, were predictors of greater risk perception, when the target was the self. When judging the risk for others, the frequency of exposure to television was also a significant predictor. Study 2 (N = 105 participants) was conducted to analyze what specific negative emotions (fear, sadness, and/or anger) affects risk perception. Additionally, some psychological mechanisms for the relation between emotions and risk perception were analyzed. Results indicated that fear response predicted greater risk estimates for the self, whereas sadness predicted greater risk estimates for others. Also importantly, sadness predicted greater risk estimates for others. Identification with the victim’s position accounted for the relation between those negative emotions and risk perception.
URI: http://hdl.handle.net/10071/3253
Appears in Collections:CIS-CLN - Capítulos de livros nacionais

Files in This Item:
acessibilidade
File Description SizeFormat 
2011_Emoções_Terrorismo_PA.pdf1.91 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.