Skip navigation
Logo
User training | Reference and search service

Library catalog

Retrievo
EDS
b-on
More
resources
Content aggregators
Please use this identifier to cite or link to this item:

acessibilidade

http://hdl.handle.net/10071/8810
acessibilidade
Title: Falemos de escola: o atelier da Rua da Alegria: contexto, identidade e legado
Authors: Almeida, Patrícia Sofia do Coito
Orientador: Neves, José Simões
Milheiro, Ana Cristina Fernandes Vaz
Keywords: Ensino da arquitetura
Atelier
Cultura arquitetónica
Arquitetura portuguesa
Issue Date: 2014
Citation: ALMEIDA, Patrícia Sofia do Coito - Falemos de escola: o atelier da Rua da Alegria: contexto, identidade e legado [Em linha]. Lisboa: ISCTE-IUL, 2014. Dissertação de mestrado. [Consult. Dia Mês Ano] Disponível em www:<http://hdl.handle.net/10071/8810>.
Abstract: Conta a pintora Maria Keil que a primeira vez que fala com aquele que viria a ser o seu marido, o arquitecto Francisco Keil do Amaral, foi à entrada da então ESBAL, onde ambos estudávam. “Anda cá para fora que aí não se aprende nada!” disse-lhe ele. Ali era na Escola. Uma escola conotada com o Estado Novo e com ideologias retrógradas em que a resistência a novos valores na arquitectura foi intencionalmente rígida. Esta é, de uma forma geral, a ideia que se tradicionalizou no que diz respeito ao ensino da arquitectura em Lisboa, na segunda metade do século XX. No Porto, a Escola é conotada com um fortíssimo progresso, com a capacidade de ‘fazer moderno’, particularmente a partir do momento em que Carlos Ramos e, depois dele, Fernando Távora, começam a reunir nos seus ateliers os melhores alunos do curso. Num período em que a relação entre Escola e atelier era tão forte, como se desenvolvia o ensino e como poderia o atelier complementar a Escola? Quando se colocam em paralelo as culturas arquitectónicas do Porto e de Lisboa neste período, normalmente associa-se o desenvolvimento - ou a existência - de uma Escola no Porto em proximidade com um ambiente cultural propicío e uma produção arquitectónica forte na cidade. Professores e profissionais confundem-se. Em Lisboa a situação é inegavelmente diferente. Mas a partir do momento em que começamos a olhar de forma menos imediata para um grande conjunto de obras projectadas em Lisboa, por arquitectos ali formados, começamos a perceber que talvez a ausência de uma Escola inovadora e capaz de acompanhar os avanços da arquitectura europeia, não se tenha traduzido numa total ausência de escola: não a escola académica, mas uma escola, definida por um conjunto de práticas, preocupações, articulações e diálogos específicos. Essa escola está centrada em ateliers. Aquele funcionou durante anos (e funciona ainda) no número 25 da Rua da Alegria – após outras moradas menos duradouras – parece ser, de todos, aquele que albergou mais arquitectos e mais projectos e o que, com mais nitidez, corrobora esta ideia de que, sim, em Lisboa se fez escola mesmo que fora da Escola. Este trabalho visa compreender não só a questão da articulação entre o ensino oficial a capacidade de criação de uma escola com uma identidade estrutural mais ou menos definida, mas igualmente compreender por que o atelier da Rua da Alegria se apresenta como um exemplo disso mesmo. Por outro lado, procura ainda rejeitar a univocidade de que tem sofrido a maioria – mas não a totalidade – da crítica e da historiografia, no sentido de compreender, dentro dos limites pressupostos pela dimensão de uma dissertação, qual o contributo lisboeta e do atelier da Rua da Alegria para a arquitectura portuguesa da segunda metade do século passado.
The painter Maria Keil refers that, the first time she talked to her future husband, the architect Francisco Keil do Amaral, it was nearby ESBAL (the School of Fine Arts of Lisbon), that both of them attended. “Get outside, there’s nothing to learn over there” he told her. By “over ther”, he meant the School. A School strongly associated with the portuguese dictatorship and with outdated ideas, where there was a strong and willing resistence towards new values on architecture. This is, generally, the idea that became tradicional regarding the teaching of architecture in Lisbon, in the second half of the Twentieth Century. In Oporto, the School is associated with an intense renewal, with a capacity to make ‘modern’, particularly from the moment when Carlos Ramos and, later, Fernando Távora, start to gather on their studios the best students of the School. In a time-frame when the articulation between School and stuidos was so strong, how was developed the teaching of architecture, and how could studio work complete the work on the School? When we regard architectonic culture of this time in both Oporto and Lisbon, usually we find strong – and existing – a School in Oporto, on the whereabouts of a fertile cultural environment and a strong architectural production in the city. Professors and professionals get mixed up. In Lisbon, the situation in different beyond any doubt. But from the moment we start regarding some of the buildings projected in Lisbon by architects who graduated right there, we may realize that perhaps the absence of an innovating School, capable of a participation in the renovations in european architecture, might not have meant the total absence of a school: not in an academic sense, but in the sense that it translates a sequence of specific practices, articulations and dialogues. That school evolves around studios. The one on the 25th Rua da Alegria – that wasn’t always there – seems to be the one where we can account a great number of architects and projects and the one that, more clearly, we can find a true school in Lisbon, even if it always worked separated from the School. This essay tries to understand not only the relationship between official teaching and the capability of a studio to make a school, with a more or less defined structural identity. But it also aims to understand why the 25th Rua da Alegria seems to be the best example. Further, this work aims to reject the one-sideness that most – but not all – of critic and History, to understand, within the space limits of this kind of work, what might be the Lisbon contribution and the 25th Rua da Alegria contribution to portuguese architecture of the second half of the past century.
Description: Mestrado integrado em Arquitetura
Peer reviewed: Sim
URI: http://hdl.handle.net/10071/8810
Thesis identifier: 201084139
Appears in Collections:T&D-DM - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
acessibilidade
File Description SizeFormat 
Patrícia Almeida 56449-TXT.pdf55.23 MBAdobe PDFView/Open    Request a copy


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.