Skip navigation
User training | Reference and search service

Library catalog

EDS
b-on
More
resources
Content aggregators
Please use this identifier to cite or link to this item:

acessibilidade

http://hdl.handle.net/10071/4692
acessibilidade
Title: Representações sociais de doença mental: um estudo exploratório com leigos, profissionais de saúde e curandeiros em Maputo
Authors: Nhambirre, Paula Alexandra
Orientador: Bernardes, Sónia F.
Keywords: Representações sociais
Saúde
Doença
Doença mental
Diferenciação social
Social representations
Health
Illness
Mental illness
Social differentiation
Issue Date: 2012
Citation: NHAMBIRRE, Paula Alexandra - Representações sociais de doença mental: um estudo exploratório com leigos, profissionais de saúde e curandeiros em Maputo [Em linha]. Lisboa: ISCTE, 2012. Dissertação de mestrado. [Consult. Dia Mês Ano] Disponível em www:<http://hdl.handle.net/10071/4692>.
Abstract: A doença mental, foi - e de alguma forma ainda é - percebida ao logo dos séculos com recurso a diferentes interpretações. Associados a cada uma destas interpretações encontram-se especificamente, um momento histórico, e significados culturais vastos e complexos. A concentração da atenção pública em episódios negativos da doença mental tende a acentuar os sentimentos de insegurança por parte da sociedade em geral e contribuindo para a criação de categorias e estereótipos que, por sua vez, estão na origem dos processos de estigmatização e de discriminação social da pessoa com experiência de doença mental (Jorge-Monteiro, 2006), estando por isso numa situação de vulnerabilidade. O presente estudo tem como objectivo compreender as representações sociais da doença mental em Maputo (Moçambique), de profissionais de saúde, leigos, e curandeiros. Foram realizadas vinte e cinco entrevistas individuais semi-estruturadas, especificamente dez a curandeiros, nove a leigos e seis a profissionais de saúde. A técnica da análise de conteúdo possibilitou identificar e organizar as explicações ligadas ao conceito, às causas, ao tratamento, à evolução, às consequências da doença mental, e propostas de intervenção percebidas como eficazes para a doença mental, dos três grupos. Reflectimos sobre as relações entre as representações sociais e a percepção das práticas relativas à doença mental. Verificou-se que as representações dos três grupos encontram formadas num nó comum socialmente partilhado, no entanto, existindo também algumas diferenças específicas intergrupos - e no caso dos leigos intragrupo, com base no contexto de proveniência. E a partir destes resultados, reflectiu-se ainda sobre as estratégias de conciliação de eventuais diferenças nas representações sociais e das práticas relativas a doença mental.
What is now referred to by western societies as mental illness, was - and in some way still is – understood along the centuries using different interpretations. Associated with each of these interpretations are specifically, an historic moment, and cultural meanings vast and complex. The concentration of public attention in negative episodes of mental illness tends to accentuate the feelings of insecurity on the part of society and contributing to the creation of categories and stereotypes which, in turn, generated the processes of stigmatization and social discrimination of people with experience of mental illness (Jorge-Monteiro, 2006) and are therefore in a vulnerable position. This study aims to understand the social representations of mental illness in Mozambique, particularly in Maputo, of health professionals, lay people and traditional healers. There were twenty-five semi-structured individual interviews, specifically ten healers, nine to laymen and six to health professionals. The technique of content analysis enabled us to identify and organize the explanations related to the concept, the causes, the treatment, evolution, the consequences of mental illness, and intervention proposals perceived as effective for mental illness of each of the above mentioned groups. We reflect on the relations between social representations and practices regarding the perception of mental illness. It was found that the representations of the three groups are formed in a common node shared social; however, there are also some specific differences between the groups - and in the case of the intergroup of laymen, based on the context of provenance. And from these results, reflected also on strategies for reconciling any differences in social representations and practices relating to mental illness.
URI: http://hdl.handle.net/10071/4692
Designation: Mestrado em Psicologia Comunitária e Proteção de Menores
Appears in Collections:T&D-DM - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
acessibilidade
File Description SizeFormat 
REPRESENTAÇÕES SOCIAS DE DOENÇA MENTAL_PAULA NHAMBIRRE.pdf1.08 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.