Skip navigation
Logo
User training | Reference and search service

Library catalog

Retrievo
EDS
b-on
More
resources
Content aggregators
Please use this identifier to cite or link to this item:

acessibilidade

http://hdl.handle.net/10071/4680
acessibilidade
Title: Análise da automedicação em Portugal e seus intervenientes
Authors: Nogueira, Rui Manuel Antunes
Orientador: Nunes, Francisco
Keywords: Automedicação
Confiança no farmacêutico
Medicamentos não sujeitos a receita médica
Auto-eficácia
Auto-regulação
Self-medication
Trust in the pharmacist
Drugs not subjected to medical prescription
Self-efficacy
Self-regulation
Issue Date: 2011
Citation: NOGUEIRA, Rui Manuel Antunes - Análise da automedicação em Portugal e seus intervenientes [Em linha]. Lisboa: ISCTE, 2011. Dissertação de mestrado. [Consult. Dia Mês Ano] Disponível em www:<http://hdl.handle.net/10071/4680>.
Abstract: A automedicação é uma prática cada vez mais comum e reconhece-se que o acesso à Farmácia para a automedicação é uma prática em crescendo em Portugal, muitas das vezes devido à falta de resposta efectiva do Sistema Nacional de Saúde para suportar a procura por parte das pessoas com problemas de saúde. O presente estudo foca a forma como o utente encara a automedicação, correlacionando vários conceitos: frequência da automedicação a confiança no farmacêutico, a atitude face aos medicamentos não sujeitos a receita médica, a auto-eficácia e a auto-regulação. Com base numa amostra de 168 indivíduos, os resultados obtidos mostram que não existe uma relação entre a automedicação e a confiança no farmacêutico (β = -0,055; p = 0,464), confiança nos medicamentos não sujeitos a receita médica (MNSRM) (β = 0,065; p = 0,404) e na auto-eficácia (β = -0,124; p = 0,109), mas existe uma relação muito forte entre a automedicação e a motivação, demonstrando-se que quanto mais elevado é o valor da motivação autónoma (β = 0,433; p = 0,000) maior é a tendência para a automedicação, e quanto mais alto é o valor da motivação controlada (β = -0,376; p = 0,000) menor é a tendência para a automedicação.
Self-medication is an increasingly common practice and it is acknowledged that the access to the pharmacy for self-medication is a growing practice in Portugal, often due to lack of effective response from the National Health System to support the demand from people with health problems. This study focuses on how a user faces the self-medication, trying to correlate various concepts: self-medications, trust on the pharmaceutics, attitudes towards drugs not subjected to medical prescription, self-efficacy and self-regulation. Based on a sample of 168 individuals, the obtained results show no relation between self-medication and the trust in the pharmacist (β = -0,055; p = 0,464), the trust in drugs not subjected to medical prescription (β = 0,065; p = 0,404) and the self-efficacy (β = -0,124; p = 0,109), but there is a very strong relation between self-medication and motivation; this study shows that the higher is the value of autonomous motivation (β = 0,433; p = 0,000) the higher is the tendency to self-medication, and the higher is the value of controlled motivation (β = -0,376; p = 0,000) the smaller is the tendency to self-medication.
URI: http://hdl.handle.net/10071/4680
Designation: Mestrado em Gestão de Serviços de Saúde
Appears in Collections:T&D-DM - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
acessibilidade
File Description SizeFormat 
Análise Da Automedicação em Portugal e Seus Intervenientes (Rui Nogueira).pdf1.34 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.