Skip navigation
User training | Reference and search service

Library catalog

Retrievo
EDS
b-on
More
resources
Content aggregators
Please use this identifier to cite or link to this item:

acessibilidade

http://hdl.handle.net/10071/2672
acessibilidade
Title: Introdução de ferramentas de gestão modernas numa empresa na Beira (Moçambique): o plano de autocontrolo da Prapesca
Authors: Gomes, Ana
Keywords: Gestão de empresas
Empresa de pesca
Liderança
Beira -- Moçambique
Issue Date: Dec-2006
Publisher: Centro de Estudos Africanos do ISCTE - Instituto Universitário de Lisboa
Abstract: Uma «velha» questão, sistematicamente revisitada na literatura de gestão, é a da possibilidade de utilização de modelos e ferramentas modernas (adaptadas à produção industrial clássica), em contextos em que as premissas culturais da organização científica do trabalho não estão presentes. A esta questão pode ‑se responder de duas formas: negando essa possibilidade, ou afirmando ‑a. No primeiro caso é necessário desenvolver modelos específicos de gestão a partir do contexto local, o que pode ser problemático em termos de produtividade e integração no mercado global; no segundo caso, subsistem duas possibilidades: adoptar os modelos de forma acrítica e «moldar» o contexto aos seus ditames, ou adaptá ‑los às realidades locais, reinventando ‑os. Este é o ponto de partida para uma discussão em torno de duas questões fundamentais na gestão em África, a responsabilidade e a liderança, discussão esta desencadeada e ilustrada pelo caso da Prapesca, uma empresa de processamento e comercialização de pescado (sobretudo camarão), que implementou um procedimento de qualidade designado Plano de Autocontrolo. A partir da sugestiva designação deste plano, vamos reflectir sobre a complexidade das empresas modernas no continente africano e acompanhar o percurso de dois empresários portugueses, também eles obrigados a inventar caminhos entre o espírito de aventura e o imperativo da competitividade.
An «old» and systematically revisited question, is the one which asks for the possibility of using modern management models and tools in contexts where the premises of scientific management are not present. One may answer this question either negatively or affirmatively. In the first case, it becomes necessary to develop strong context ‑bounded models. This option may be quite problematic in terms of productivity and global market integration. In the second case, we may solve the problem in two different ways: either by adopting classical models acritically or «recreating» them. This is the starting point of a discussion about two fundamental questions in African management, responsibility and leadership. The discussion will be illustrated by the Prapesca case, a company which processes and sells fish products, mainly shrimps, and is implementing quality procedures designated as Self ‑control Plan. From the suggestive designation of the plan, we are going to reflect about the complexity of modern African business and follow the itinerary of two Portuguese entrepreneurs, forced to create a path between adventure and competitiveness.
Peer reviewed: Sim
URI: http://hdl.handle.net/10071/2672
ISSN: 1645-3794
Appears in Collections:CEI-RN - Artigos em revistas científicas nacionais com arbitragem científica

Files in This Item:
acessibilidade
File Description SizeFormat 
2006:07_11:12_4.pdf534.06 kBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.