Skip navigation
User training | Reference and search service

Library catalog

Retrievo
EDS
b-on
More
resources
Content aggregators
Please use this identifier to cite or link to this item:

acessibilidade

http://hdl.handle.net/10071/2591
acessibilidade
Title: Parafarmácias nos hipermercados em Portugal: novos territórios para novos consumos terapêuticos?
Authors: Monteiro, Paulo Jorge Esguedelhado
Orientador: Lopes, Noémia Mendes
Keywords: Consumo
corpo
medicalização
espaço
teoria social
Consumption
Body
medicalization
space
social theory
Issue Date: 5-Apr-2011
Citation: MONTEIRO, Paulo Jorge Esguedelhado - Parafarmácias nos hipermercados em Portugal: novos territórios para novos consumos terapêuticos? [Em linha]. Lisboa: ISCTE, 2010. Dissertação de mestrado. [Consult. Dia Mês Ano] Disponível em www:<http://hdl.handle.net/10071/2591>.
Abstract: Nas sociedades pós-modernas, o corpo emerge como um receptáculo maleável com valor simbólico, simultaneamente palco de memória e transformação, legitimando os fenómenos de protagonismo leigo, na gestão dos consumos terapêuticos. Os medicamentos, vitaminas e produtos cosméticos, têm feito a sua progressão do domínio médico, para o mercado de massas, como produtos associados ao estilo de vida. Em particular, o fenómeno da automedicação, ao corporizar um movimento centrífugo dos medicamentos, do domínio puramente pericial para um de contornos fluidos, designado por alguns autores de “Autonomias leigas” e entendido como “encorporação” com distintas plasticidades, dos conhecimentos periciais, apresenta-se como um território a justificar a investigação sociológica. A possibilidade da venda de MNSRM (Medicamentos Não Sujeitos a Receita Médica) fora das farmácias, consagrada por vias da legislação publicada em Agosto e Setembro de 2005, permitiu o surgimento de um significativo número de “Locais registados para venda de MNSRM”, vulgo Parafarmácias, integrando o retalho alimentar. Estes espaços distinguem-se das farmácias nos planos simbólico (espaço de saúde versus espaço de doença) e funcional (preços mais baixos e comodidade na compra). A parafarmácia é assim fruto de uma circunstância material, mas que se afirma enquanto objecto/espaço simbólico que emerge de um contexto ideológico específico. É objectivo desta Tese, a exploração da relevância, segundo o olhar sociológico, do fenómeno social emergente das parafarmácias nos hipermercados e respectivos consumos terapêuticos, procurando perceber a singularidade destes espaços no que respeita as percepções e práticas por eles geradas, em particular a eventual materialização de novas condições para a disseminação da medicalização e “farmacologização” na sociedade Portuguesa.
In post-modern societies, body emerges as a flexible surface with symbolic value, simultaneously stage of memories and transformation, amplifying the expression of lay action in the management of health consumptions. Non-prescription medicines, vitamins and cosmetic products have made their way to the mass market as life-style tools. Self-medication, in particular, by incarnating a continuous pathway of the medicines from the purely expert dominance to another one, which presents itself with fluid borders and often pragmatic content, designated by some authors as “lay autonomy”, is a prolific ground for the sociological investigation. The possibility, consecrated by law in 2005, for the non-prescription medicines to be sold outside the conventional Portuguese pharmacies, allowed the proliferation of Parapharmacies, especially those located in food retail shops, namely hypermarkets. These new environments distinguish it selves from the community pharmacies both in the symbolic perception (wellness vs. illness) and functional usage (lower prices and convenience). Born out of a circumstantial episode, this phenomenon presents nowadays, ideological implications. The present dissertation and the associated empiric investigation, pretends to explore, from a sociological perspective, the singularity of these special territories, especially the representations they induce and the practices they promote, questioning their role in the presumed dissemination of the medicalization and “farmacologization” of the Portuguese society.
URI: http://hdl.handle.net/10071/2591
Designation: Mestrado em Sociologia da Saúde e da Doença
Appears in Collections:T&D-DM - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
acessibilidade
File Description SizeFormat 
Dissertação-Mestrado_Sociologia_PauloJEMonteiro.pdf1.08 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.