Skip navigation
User training | Reference and search service

Library catalog

Integrated Search
b-on
More
resources
Content aggregators
Please use this identifier to cite or link to this item:

acessibilidade

http://hdl.handle.net/10071/22404
acessibilidade
Title: Is facial mimicry for affiliation?: exploring facial mimicry in intergroup relations under perceived threat
Authors: Murteira, Carla Sofia Ribeiro
Orientador: Waldzus, Sven
Zavala, Agnieszka Golec de
Keywords: Facial mimicry
Affiliation
Emotional decoding
Perceived threat
Mimetismo facial
Afiliação
Reconhecimento emocional
Percepção de ameaça
Issue Date: 13-Jan-2021
Citation: Murteira, C. S. R. (2020). Is facial mimicry for affiliation?: exploring facial mimicry in intergroup relations under perceived threat [Tese de doutoramento, Iscte - Instituto Universitário de Lisboa]. Repositório do Iscte. http://hdl.handle.net/10071/22404
Abstract: This thesis examines whether facial mimicry has an affiliative function beyond the epistemic function of facilitating emotion recognition. In one study assessing facial mimicry by FaceReader (N = 48) we found that facial mimicry is characterized by congruent (mirroring) and incongruent but complemental responses to emotional facial expressions, which are consistent with a relation-regulatory function. However, in a meta-analysis (k = 21; N = 1686), stronger mimicry of ingroup than outgroup members, a widely claimed indicator of an affiliative function, was only found for anger (with strong heterogeneity) but not for happiness, fear, disgust, or sadness. In our own laboratory research, three studies assessed facial mimicry by f-EMG, and how it is moderated by perceived threat. Perceived realistic intergroup threat was measured (N = 61) and experimentally induced (N = 78) to assess how facial mimicry varies in intergroup relations. Results showed that intergroup threat increased mimicry of ingroup but not of outgroup anger. However, when perceived ingroup threat was experimentally induced by ostracism (N = 80), results showed not threat effects on mimicry of ingroup anger, leaving the result of the previous two studies vulnerable to an alternative explanation of anger-mimicry regulation by the avoidance of conflict escalation rather than by an affiliative function. Overall, the reported results challenge classical claims of an affiliative function of mimicry. We conclude that mimicry might be in the service of affiliation because it facilitates emotion recognition, and that it is most probably sensitive to relation-regulatory concerns, however, the group-membership effects on mimicry provide no direct evidence for an affiliative function of mimicry.
Esta tese explora se o mimetismo facial tem uma função afiliativa para além da função epistémica de descodificação emocional. Ao avaliar o mimetismo facial com FaceReader (N = 48), verificou-se que este é caracterizado por respostas musculares congruentes (espelhamento) e incongruentes, as quais são complementares à descodificação emocional e possível facilitação da regulação da relação. Contrariamente ao descrito como indicador de uma função afiliativa, numa meta-análise (k = 21; N = 1686) verificou-se que o mimetismo é mais forte com os membros do endogrupo comparado com o exogrupo no mimetismo da raiva (com forte heterogeneidade), mas não da felicidade, medo, nojo ou tristeza. Três estudos laboratoriais com f-EMG avaliaram se o mimetismo facial é moderado pela percepção da ameaça. A percepção de ameaça realista intergrupal foi medida (N = 61) e induzida experimentalmente (N = 78) para avaliar o mimetismo em relações intergrupais. A ameaça intergrupal aumentou o mimetismo da raiva do endogrupo, mas não do exogrupo. No entanto, quando a percepção de ameaça endogrupal foi experimentalmente induzida por ostracismo (N = 80), a ameaça não afecta o mimetismo da raiva do endogrupo, deixando os resultados anteriores vulneráveis a uma explicação alternativa da regulação do mimetismo da raiva motivada pelo evitamento de conflito, em vez de uma necessidade afiliativa. Concluindo, os resultados desafiam as afirmações clássicas de uma função afiliativa do mimetismo. O mimetismo pode estar ao serviço da afiliação porque facilita o reconhecimento das emoções e regulação da relação. No entanto, os estudos do mimetismo em relações intergrupais não fornecem evidência directa para uma função afiliativa do mimetismo.
Peer reviewed: yes
URI: http://hdl.handle.net/10071/22404
Thesis identifier: 101554958
ISBN: 978-989-781-446-4
Designation: Doutoramento em Psicologia Social
Appears in Collections:T&D-TD - Teses de doutoramento

Files in This Item:
acessibilidade
File Description SizeFormat 
phd_carla_ribeiro_murteira.pdf2.32 MBAdobe PDFView/Open    Request a copy


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.