Skip navigation
Logo
User training | Reference and search service

Library catalog

Retrievo
EDS
b-on
More
resources
Content aggregators
Please use this identifier to cite or link to this item:

acessibilidade

http://hdl.handle.net/10071/1468
acessibilidade
Title: Julgados de Paz em Portugal: Uma Diferente Forma de Justiça Justiça de Proximidade. Pacificação Social. Complementaridade de Sistemas.
Authors: Pires, Edite Freire
Orientador: Gonçalves, Maria Eduarda
Keywords: Justiça
Justiça de Proximidade
Justiça do caso concreto
Julgados de Paz
Complementaridade de Sistemas
Garantismo
Justice
Proximity Justice
Justice of the concrete case
Judges of Peace
Systems
Complementariety
Guarantee
Issue Date: 2009
Citation: PIRES, Edite Freire – Julgados de Paz em Portugal: Uma Diferente Forma de Justiça Justiça de Proximidade. Pacificação Social. Complementaridade de Sistemas. [Em linha]. Lisboa: ISCTE, 2009. Tese de mestrado. [Consult. Dia Mês Ano] Disponível em www:<http://hdl.handle.net/10071/1468>.
Abstract: O ano de 2002 ficou marcado pelo ressurgimento dos julgados de paz em Portugal, que reaparecem na sequência dum movimento de reformas do sistema judiciário que nos últimos anos se sente por toda a Europa, fruto da descrença dos cidadãos nas estruturas do poder judiciário e na eficiência da justiça. Os julgados de paz são definidos como tribunais especiais situados fora do sistema judicial. A sua circunscrição territorial é fixada com base na delimitação concelhia, ou de freguesia, ou de agrupamento de concelhos, não coincidindo com a delimitação por comarcas. Alicerçam-se nos princípios da proximidade, da celeridade, da informalidade, da oralidade e da adequação. Através da justiça de proximidade, substituise o modelo adversarial e impositivo, típico dos tribunais comuns, por um modelo fomentador da auto-composição dos litígios e da participação cívica das partes. A reforma do mapa judiciário e o plano de desenvolvimento da rede de julgados de paz deverão ser compatibilizados entre si, o que proporcionará uma oferta equilibrada entre meios judiciais e extrajudiciais de resolução de litígios. Tratando-se de duas realidades diferentes, desempenham papéis distintos... os julgados de paz dedicam-se a resolver conflitos dos cidadãos mediante a administração duma justiça de proximidade, os tribunais judiciais administram uma resposta global para os litígios existentes. Aos julgados de paz deverá ser reconhecida competência própria e exclusiva relativamente aos tribunais judiciais, para decidir no âmbito das matérias especificadas no Art.º 9 da Lei n.º 78/2001 de 13 de Julho. Este tipo de tribunais não intensifica os conflitos entre os cidadãos pois que os conflitos surgem independentemente da existência ou não de julgados de paz. Com a sua criação, o que se proporciona é uma nova instância de pacificação social, de decisão e solução de conflitos, ainda que de micro bagatelas jurídicas se tratem, correspondendo a um meio que fomenta a comunicação e participação das partes na resolução dos conflitos que as opõem. Assim, este novo mecanismo de conflitos não pode ser encarado como um excesso de garantismo propiciado pelo Estado, uma vez que os julgados de paz têm por objecto uma franja de conflitos que na maioria das situações não tinha resposta no sistema judicial nacional.
The year of 2002 was marked with the resurgence of judges of peace in Portugal, as result of a movement of reforms still underway in Europe in part as a consequence of the disbelief of citizens in the structures of judicial power and of the justice system’s inefficiency. This kind of courts is defined as special courts located out of judicial system and by principles of proximity, celerity, informality, oralism and adequacy. In justice of promixity the adversarial model of judicial courts is substituted by a model characterized by dialogue and peaceful solution of conflicts. The reform of the Portuguese courts’ map and the judges of peace developmente plan should be conciliated to guarantee to citizens a larger offer of tools to solve conflicts. It is important to recognize that judges of peace do not intensify conflicts between citizens. Conflicts already exist. This kind of courts provides a new instance for setting small causes and promote dialogue. Judges of peace decide conflicts that were not supposed to be object of decision in traditional courts because they are small conflicts.
URI: http://hdl.handle.net/10071/1468
Designation: Mestrado em Novas Fronteiras do Direito
Appears in Collections:T&D-DM - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
acessibilidade
File Description SizeFormat 
TESE_DE_MESTRADO_Edite_Freire_Pires.pdf1.33 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.