Skip navigation
Logo
User training | Reference and search service

Library catalog

Retrievo
EDS
b-on
More
resources
Content aggregators
Please use this identifier to cite or link to this item:

acessibilidade

http://hdl.handle.net/10071/12552
acessibilidade
Title: Community based adaptations to climate change: experiences of the Mijikenda Community in Coastal Kenya
Authors: Groh, Maxie Elizabeth
Orientador: Carvalho, Ana Catarina Larcher das Neves Santos
Wekesa, Chemuku
Keywords: Climate adaptation
Biocultural innovations
Mijikenda Community
Food security
Biocultural heritage
Kenya
Alteração climática
Inovação
Herança cultural
Segurança
Alimentação
Quénia
Issue Date: 30-Sep-2016
Citation: GROH, Maxie Elizabeth - Community based adaptations to climate change: experiences of the Mijikenda Community in Coastal Kenya [Em linha]. Lisboa: ISCTE, 2016. Dissertação de mestrado. [Consult. Dia Mês Ano] Disponível em www:<http://hdl.handle.net/10071/12552>.
Abstract: Small-scale farmers in Africa are among the most vulnerable to the impacts of climate change. Macro level climate change policies are having little positive impacts on their livelihoods. However, at the local level, communities are innovating and adapting to climate change. While these innovations are not enough to guarantee extensive adaptation to climate change, they are an important element for the survival of agrarian societies and botanical diversity. It is therefore important to understand what these innovations are and the factors that hinder and facilitate them. This knowledge would allow the incorporation of strategies to support the endogenous capacities of societies to innovate and adapt to climate change into climate change policy and projects. This thesis will present the case study of agrarian societies, the Mijikenda, in Kenya’s coastal areas. Kenya’s coastal forests and agricultural lands, while fragmented and threatened by degradation, contribute to the resilience of coastal Mijikenda communities. They serve as territories of biocultural heritage that have traditionally unified the communities through cultural cohesion and information exchange, and are reserves of rich agro-biodiversity that improve community food security and health. Kenya’s coastal societies have developed various strategies to adapt to climate change that have emanated from the specific biological and cultural conditions of these coastal territories. This study investigates the factors that hinder and facilitate biocultural innovations - innovations that are developed locally and adapted to community needs - and which serve to boost climate resilience in three Mijikenda communities: Giriama, Rabai, and Duruma. They include technological innovations (e.g. use of a wide range of herbal plants to control increasing incidences of pests in crops and animals) and social/institutional innovations (e.g. establishment of cultural centers). It will build on work previously conducted by the Kenya Forestry Research Institute (KEFRI) within the framework of the Smallholder Innovation for Resilience (SIFOR) research project, and will focus on a specific set of aspects that have not previously be dealt with: how gender and age affect the capacity to innovate. The study has found that gender and age play an important role in the capacity to innovate. Elders of the Mijikenda community demonstrated the highest awareness and participation in biocultural innovations, while youth are increasingly becoming isolated from the events and practices that have traditionally reinforced capacities to innovate. Socially reinforced gender discrimination limits women’s resilience to climate change by reducing access to agricultural inputs, markets, capital, leadership positions, and information. Local strategies, though not enough to overcome the multiple challenges of climate change, need to be identified, analyzed, and included in climate change policies that aim to develop strategies to enhance local adaptation capacities. Increased participation, support and sensitization to the importance of biocultural heritage and related innovations including crop landraces and farming practices and ceremonies that engage wide audiences could complement other contemporary development strategies aimed at improving community adaptation to climate change in Kenya and elsewhere. Innovation springboards in the Mijikenda communities were found to often be centered on cultural events involving cross-generational information exchange and participation. Adaptation processes could be supported through the establishment of community climate adaptation innovation centers that could source updated weather information, job training, loan and grant opportunity information, workshops, technology transfers and exchange programs, and improved access to information technology (including WiFi).
Os pequenos agricultores africanos estão extremamente vulneráveis aos impactos das mudanças climáticas. As políticas globais sobre mudanças climáticas têm tido poucos impactos positivos sobre as suas formas de vida. No entanto, a nível local, as comunidades têm demonstrado capacidade de inovar e de se adaptar às alterações climáticas. Embora essas inovações não sejam suficientes para garantir uma ampla adaptação às alterações climáticas, as capacidades endógenas de inovar são um elemento importante para a sobrevivência das sociedades agrárias. Assim, é importante compreender quais são essas inovações e os fatores que dificultam e facilitam o seu surgimento e adopção. Este conhecimento permitirá a incorporação, nas políticas sobre mudança climática e projetos, de estratégias para apoiar as capacidades endógenas de sociedades de inovar e adaptar-se às alterações climáticas. Esta tese apresenta o estudo de caso de sociedades agrárias, os Mijikenda, que habitam áreas costeiras do Quénia. As florestas costeiras e terras agrícolas do Quénia, embora fragmentadas e ameaçadas pela degradação, contribuiem para a resiliência das comunidades Mijikenda costeiras. É nesses territórios que está ancorado o património biocultural que garante a unidade das comunidades através da coesão coesão social e das trocas de informação cultural; são também reservas de agro-biodiversidade que melhora a segurança alimentar da comunidade e saúde. As sociedades costeiras do Quénia desenvolveram várias estratégias para se adaptar às mudanças climáticas que emanavam das condições biológicas e culturais específicas desses territórios costeiros. Este estudo investiga os fatores que dificultam e facilitam as inovações bioculturais - inovações que são desenvolvidas localmente e adaptadas às necessidades da comunidade - e que servem para aumentar a resistência ao clima em três comunidades Mijikenda: Giriama, Rabai e Duruma. Estas incluem inovações tecnológicas (por exemplo, utilização de uma vasta gama de plantas à base de plantas para controlar pragas nas culturas e animais) e as inovações institucionais / sociais (por exemplo, criação de centros culturais). Este estudo vai dar continuidade ao trabalho anteriormente realizado pelo Instituto Kenya Forestry Research (KEFRI) no âmbito do projecto de investigação, Smallholder Inovação para a Resiliência (SIFOR), e incidirá sobre um conjunto específico de aspectos que não tinham anteriormente ser tratados nomeadamente investigará como o género e a idade afetam a capacidade de inovar. Os resultados do estudo indicam que o sexo e a idade desempenham um papel importante na capacidade de inovar. Os mais velhos da comunidade Mijikenda demonstraram uma maior sensibilização e uma maior participação na produção de inovações bioculturais, enquanto os jovens estão cada vez mais isolado dos eventos e práticas que têm demonstrado ser capazes de reforçar as capacidades de inovar. A discriminação de género limita também a capacidade das mulheres produzirem inovações para se adaptarem às mudanças climáticas, dado o seu reduzido o acesso a insumos agrícolas, mercados, capital, posições de liderança, e informação. As estratégias locais, embora não suficientes para superar os vários desafios da mudança climática, precisam ser identificadas, analisadas e incluídas nas políticas de mudanças climáticas que visam desenvolver estratégias para melhorar a capacidade de adaptação locais. O aumento da participação, apoio e sensibilização para a importância do património biocultural e inovações relacionadas, incluindo variedades crioulas de culturas e as práticas agrícolas e cerimónias que envolvem amplas audiências poderiam complementar outras estratégias de desenvolvimento contemporânea destinadas a melhorar a adaptação da comunidade para as alterações climáticas no Quénia e em outros lugares. O estudo indica que os eventos culturais envolvendo a troca de informações entre gerações e participação são incubadores de inovação nas comunidades Mijikenda. Estes processos de inovação/adaptação poderiam ser apoiado através da criação de centros comunitários de inovação para adaptação climática que poderiam reunir informação atualizada sobre o tempo, formação, informação sobre empréstimos e oportunidades de acesso a financiamentos, workshops, transferências de tecnologia e programas de intercâmbio, acesso a tecnologia de informação (wifi).
Peer reviewed: yes
URI: http://hdl.handle.net/10071/12552
Thesis identifier: 201338530
Designation: Mestrado em Estudos Africanos
Appears in Collections:T&D-DM - Dissertações de mestrado

Files in This Item:
acessibilidade
File Description SizeFormat 
Groh Thesis_September 2016.pdf10.13 MBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.