Skip navigation
User training | Reference and search service

Library catalog

EDS
b-on
More
resources
Content aggregators
Please use this identifier to cite or link to this item:

acessibilidade

http://hdl.handle.net/10071/12249
acessibilidade
Title: A memória oral na construção de imagens da revolução no Alentejo
Authors: Almeida, M. A. P. de
Editors: Rita Luís, Carla Luciana Silva, Luciana Soutelo
Issue Date: 2014
Publisher: Grupo de estudos do Trabalho e dos Conflitos Sociais do IHC, FCSH, UNL
Abstract: O registo das memórias orais é importante para transmitir imagens dos acontecimentos passados, muitas vezes diferentes das que foram registadas por jornalistas, investigadores e autores das mais variadas áreas. As “Visões da Revolução” no Alentejo estão obrigatoriamente associadas ao movimento da Reforma Agrária que dominou a vida política, económica e social da região durante um longo período após o 25 de abril de 1974. Com o objetivo de recolher, analisar e sintetizar essas imagens, realizei uma série de entrevistas aos intervenientes no movimento num concelho do distrito de Portalegre que assumiu um papel de liderança em todo o processo. Vários autores têm usado a memória oral, a etnobiografia e as histórias de vidas cruzadas como fonte para trabalhos de investigação científica. Praticamente todos os que escreveram sobre Reforma Agrária realizaram um importante trabalho de campo, utilizando o privilégio de contactar diretamente com os atores da história que tinham acabado de presenciar. Como diz António Barreto, a recolha da memória oral tem a vantagem de permitir o contacto direto com as testemunhas dos acontecimentos, o que tem um valor inestimável (Barreto, 1986). Neste trabalho pretendo apresentar uma síntese das histórias de vida de uma geração em vias de desaparecimento, ou em grande parte já desaparecida, que viveu o regime do Estado Novo em meio rural e participou ativamente na transição para a democracia. As entrevistas foram realizadas a membros das várias classes sociais intervenientes no processo da Reforma Agrária e produziram uma variedade de histórias de vida que não deveria perder-se com o falecimento dos protagonistas. O critério de seleção obedeceu a uma tentativa de amostragem do ecletismo da população local. Saliento que quase todos tinham mais de 60 anos à data da entrevista. Alguns estavam na casa dos 30 no período das ocupações, incluindo os líderes locais do processo. Considerando que a maioria da população portuguesa atual é urbana e toma o regime democrático como algo adquirido e incontestável, talvez a leitura de vivências rurais dos anos 40 e 50, e do período revolucionário português da segunda metade dos anos 70 do século passado, permita a tomada de consciência de uma série de fatores formadores do regime em que vivemos e de alguns dos problemas que afetam a sociedade portuguesa contemporânea. Em resumo, tentei responder às seguintes questões: Quem eram os habitantes do meio rural dos meados do século XX? Como viviam, como se comportavam? Quais as suas aspirações e qual o papel da agricultura nas suas vidas? Como eram essas pessoas, o que as motivava? E depois, qual o impacto da reforma agrária nestes grupos, tanto no dos ocupados como no dos ocupantes?
Peer reviewed: yes
URI: http://hdl.handle.net/10071/12249
ISBN: 9789899899803
Ciência-IUL: https://ciencia.iscte-iul.pt/id/ci-pub-19549
Appears in Collections:CIES-CLN - Autoria de capítulos de livros nacionais

Files in This Item:
acessibilidade
File Description SizeFormat 
Almeida_MAP_Memoria_Oral_Alentejo.pdfPós-print431.52 kBAdobe PDFView/Open


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Currículo DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.